Uber vende divisão de carros autônomos

Uber carros autônomos
Uber desistiu do projeto de substituir os motoristas humanos por carros autônomos; empresa também vai vender divisão de táxi aéreo

Nos últimos anos a Uber estava trabalhando em um projeto para desenvolver carros autônomos, ou seja, criar veículos capazes de trafegar sem necessidade de um motorista. 

Com um ano marcado por prejuízos financeiros, a Uber viu sua receita recuar em relação ao ano anterior, em consequência da pandemia. Em meio a crise, a empresa anunciou que vai repassar a divisão de carros autônomos Advanced Technologies Group (ATG) para a startup Aurora, que opera no setor de veículos autônomos. 

De acordo com o The New York Times, a Uber deve investir cerca de US$ 400 milhões na Aurora e, em contrapartida, vai ter uma participação de 26% e uma cadeira no conselho da startup.

Uber deve vender divisão de táxi aéreo

A companhia também está negociando a venda do Uber Elevate, seu serviço de táxis aéreos. Segundo informações do site Axios, a Uber deve vender o Uber Elevate para a startup Joby Aviation, fabricante de aeronaves elétricas que é parceira da Uber em um projeto para desenvolver um veículo voador. 

Se a decisão de vender a Uber Elevate se concretizar, a empresa vai se despedir de outro sonho que era lançar seu serviço de táxi voador até 2023. Ao que tudo indica a Uber está tentando se desfazer de partes menos lucrativas de seus negócios para tentar recuperar fôlego e voltar a faturar.

Carros autônomos são uma realidade distante

Carros autônomos uber
Uber não conseguiu recuperar confiança após acidente fatal com um dos carros autônomos

A decisão da Uber de desistir do projeto de carros autônomos deixa claro que ter veículos circulando sem motoristas ainda é uma realidade distante. Afinal, foram anos de pesquisas e testes sem resultados plausíveis.

A divisão de pesquisas de carros autônomos (ATG) foi criada em 2015 e na fase de auge do projeto a divisão chegou a ser avaliada em US$ 7,25 bilhões. Mas a empresa acabou se envolvendo em escândalos como o processo movido pela  Waymo (Google) contra a Uber. Na época, um ex-funcionário da Waymo, contratado pela Uber, foi acusado de repassar a propriedade intelectual de carros da sua ex-empregadora para a Uber. 

Anthony Levandowski aproveitou o cargo que tinha na Waymo e baixou informações sobre os projetos da empresa. Segundo o processo foram cerca de 9GB de dados e pelo menos 2GB de informações confidenciais. Além de Levandowski, Lior Ron também foi acusado de violação durante o processo. Sendo que Ron, ex-funcionário da Waymo, também foi trabalhar na Uber.

Além disso, o projeto de carros autônomos da Uber acabou resultando em uma tragédia. Em 2018, um dos carros da companhia atropelou uma pessoa no Arizona, EUA, que foi a óbito. O acidente obrigou a companhia a suspender todos os testes com carros autônomos nos Estados Unidos e no Canadá. 

Mesmo depois de retomar os testes, a Uber não conseguiu progredir muito e agora, com a decisão de repassar a divisão de carros autônomos para a Aurora, parece estar decidida a não dedicar tantos investimentos ao projeto.

O que você achou da decisão da Uber? Confira também nosso post sobre a tecnologia dos carros da Tesla que poderá ser usada em carros autônomos no futuro.

Fonte: Axios, The Verge; The New York Times; Arstechnica

1 Comentário

Clique aqui para postar um comentário