Twitter reforça políticas de segurança para combater a desinformação

destaque 2
Twitter apontou que o foco das políticas de segurança para combater desinformação é oferecer contexto aos usuários sobre os conteúdos veiculados na plataforma
Anúncio
Samsung  campanha  Connected Living para promover conectividade de produtos  do lar

O Twitter reforçou as políticas de segurança relacionadas ao combate à desinformação e prestou uma série de esclarecimentos sobre elas na plataforma. De acordo com a página Twitter Safety, dedicada à segurança da empresa, o foco das medidas de combate é “oferecer contexto [ao usuário], não checar fatos”.

Esse reforço parte de uma discussão recente sobre a abordagem da empresa na hora de lidar com informações enganosas. Em fevereiro, o Twitter implementou um novo tipo de aviso para mídia sintética e manipulada que a plataforma considerasse ter potencial para “causar danos”. A ideia é que esses avisos ajudassem os usuários a checar a autenticidade do conteúdo veiculado na rede social e fornecessem contexto adicional. Em maio, a empresa implementou um recurso parecido para tweets relacionados à COVID-19 para combater a onda de desinformação relacionada à pandemia.

Tanto que aqui no Brasil, no final de março, o Twitter chegou a excluir postagens do presidente Jair Bolsonaro relacionadas à COVID-19. Bolsonaro havia compartilhado uma série de vídeos que o mostravam visitando comerciantes do Distrito Federal, o que gerou aglomerações. As publicações também mostravam o presidente visitando populares do DF e defendendo o uso da medicação cloroquina para combater o novo coronavírus.

Presidente Jair Bolsonaro
Tweets do presidente Jair Bolsonaro foram excluídos por violarem regras da plataforma

Em nota ao jornal Folha de São Paulo, a rede social informou que havia expandido suas regras de segurança para abranger conteúdos que fossem, eventualmente, contra informações de saúde pública orientadas por fontes oficiais e que pudessem colocar as pessoas em maior risco de transmitir a COVID-19.

No final de maio, o Twitter classificou duas publicações do presidente dos EUA, Donald Trump, como “mídia manipulada”. A rede social incluiu um alerta de desinformação nos tweets de Trump, que afirmavam que votações por correio comprometiam a validade de uma eleição.

Presidente Donald Trump
Twitter incluiu alerta de desinformação em tweets do presidente Donald Trump

Alguns dias depois, o presidente dos EUA assinou um decreto que diz que as grandes empresas de tecnologias devem ser responsabilizadas pelos conteúdos que os usuários publicam. Agora a Administração Nacional de Telecomunicações e Informações dos EUA deve analisar a ordem executiva e apresentar medidas para regulamentar o Twitter e outras plataformas digitais.

Esclarecimentos sobre as políticas para combater desinformação

A página Twitter Safety publicou uma thread (ou “fio”, como é dito na rede social, que é uma sequência de tweets sobre um tema) em que presta esclarecimentos sobre as políticas de segurança atuais e o contexto que levou a empresa a atualizá-las.

“Tem havido muita conversa sobre as ações do Twitter recentemente. Nós queremos dar um passo para trás e compartilhar os princípios que usamos para empoderar o debate público saudável por meio do nosso produto, políticas e ações”, explica o primeiro tweet da thread publicada pelo Twitter Safety.

A primeira coisa que a página faz é citar os princípios que guiam o Twitter na curadoria de conteúdos saudáveis, que são:

  • Diminuir o potencial de “causar danos”;
  • Diminuir vieses preconceituosos;
  • Diminuir a confiança na remoção de conteúdo;
  • Aumentar a diversidade de perspectivas;
  • Aumentar a responsabilidade pública.

O Twitter Safety ressalta que os princípios que guiaram a atualização das políticas de segurança para combater a desinformação partiu do feedback dos usuários. Isso porque no final de 2019, a empresa fez uma espécie de consulta pública com os usuários da rede social sobre como a empresa devia lidar com essa questão.

De acordo com o Twitter, os principais pontos do feedback que nortearam as novas políticas de segurança foram:

  • O Twitter não deve determinar a veracidade dos tweets;
  • O Twitter deve oferecer contexto para ajudar as pessoas a formarem suas opiniões quando o conteúdo de um tweet causar discórdia.

A página ressaltou, também, que o Twitter prioriza tweets que considera terem potencial maior para “causar danos”. O foco das políticas de segurança, no momento, está em: mídia sintética ou manipulada, integridade cívica e COVID-19. Tipos de danos, alcance e escala também são levados em conta, segundo o Twitter Safety.

Na prática, se a empresa considerar que a mídia compartilhada num tweet foi alterada ou fabricada de maneira enganosa, pode tomar as seguintes ações:

  • Aplicar um aviso ao tweet (como aconteceu com o presidente Donald Trump);
  • Mostrar um aviso antes que as pessoas compartilhem ou curtam o tweet;
  • Reduzir a visibilidade do tweet e/ou impedir que seja recomendado;
  • Fornecer explicações ou esclarecimentos adicionais disponíveis, como uma página com mais contexto.
Ilustração de alertas do Twitter para desinformação
Alertas do Twitter levam usuários para páginas com informações confiáveis

Os avisos direcionam as pessoas a uma página de curadoria do Twitter ou para outra fonte confiável contendo informações adicionais à afirmação feita no tweet. No caso da COVID-19, por exemplo, os alertas informam as pessoas, antes que elas visualizem o tweet, que a informação ali contida é conflitante com as orientações de especialistas em saúde pública.

De acordo com o blog oficial do Twitter, as políticas de segurança da empresa contra desinformação prevêem medidas com base em três categorias:

  • Informações enganosas: Declarações ou afirmações que tenham sido confirmadas como falsas ou enganosas por especialistas no tema em questão;
  • Afirmações questionáveis: Declarações ou afirmações cuja precisão, veracidade ou credibilidade é genuinamente contestável ou desconhecida;
  • Afirmações não confirmadas: Informações (que podem ser verdadeiras ou falsas) que ainda não foram verificadas e confirmadas no momento em que são compartilhadas.
Tabela de critérios do Twitter sobre desinformação
Tabela de critérios e medidas do Twitter

A thread do Twitter Safety também apontou que existem abordagem e princípios específicos sobre o conteúdo publicado e compartilhado por líderes mundiais (por exemplo: presidentes). A página diz que a empresa acredita que é importante as pessoas poderem ler e falar sobre o que os líderes mundiais dizem, por mais que o conteúdo viole as regras da plataforma. 

“Se um tweet de um líder mundial violar as Regras do Twitter mas houver um claro interesse público em mantê-lo na plataforma, nós o colocaremos atrás de um aviso que trará contexto sobre a violação e permitirá que as pessoas cliquem e vejam o conteúdo se assim desejarem”, explica o post do blog oficial do Twitter. Mas se a violação for enquadrada como muito grave nas regras da plataforma, o conteúdo é excluído.

Fontes: Blog oficial do Twitter e página Twitter Safety

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário