SoftBank eleva fatia no Banco Inter em ações e passa a ter mais direitos

como abrir conta no banco inter 2
O SoftBank Group concordou em dobrar sua participação no Banco Inter SA, credor online brasileiro que oferece produtos com taxa zero
Anúncio
Samsung  campanha  Connected Living para promover conectividade de produtos  do lar

O SoftBank Group Corp, banco internacional japonês, concordou em dobrar sua participação no Banco Inter SA, um credor online brasileiro que oferece produtos com taxa zero. O SoftBank e seus veículos de investimento atingiram participação equivalente a 14,94% do capital social do Banco Inter.

Com essa aquisição, o banco passa a deter 35 milhões de certificados de depósitos de ações, representativos cada um de uma ação ordinária e duas ações preferenciais do Banco Inter. O SoftBank visa aumenta significativamente sua participação no mercado brasileiro de ações.

Não é a primeira vez que o banco assume participação no banco nacional. O SoftBank, gigante da tecnologia japonesa, assumiu uma participação de 8,1% no Banco Inter em julho por cerca de US$ 186 milhões (aproximadamente R$ 760 milhões). A empresa está adquirindo participação adicional de membros das famílias controladoras do banco, incluindo partes do grupo bilionário Menin.

O que muda para o SoftBank e o Banco Inter

Com o aumento da fatia, o SoftBank ganha mais direitos sobre o Banco Inter
Com o aumento da fatia, o SoftBank ganha mais direitos sobre o Banco Inter

Dessa forma, o SoftBank passará a ter determinados direitos, como o “registration rights” (Direitos de registros, em português), que prevê a obrigação do banco de viabilizar registro de ofertas públicas de ações de emissão do banco no Brasil e nos Estados Unidos. Porém, tudo isso será feito observadas as devidas condições de mercado e possibilidades financeiras.

O segundo direito será apontar um membro para eleição do conselho de administração do banco, enquanto o grupo possuir cinco anos contados da realização de uma oferta qualificada, ou a partir do momento em que o SoftBank passar a deter 5% ou menos do capital social do banco após a realização da oferta pública inicial nos Estados Unidos.

De acordo com uma pessoa, que pediu para não ser identificada, pois as informações não são públicas, o CEO do Banco Inter, João Vitor Menin, que detém 5,4% do credor, não está entre os vendedores. A família Menin fundou a construtora MRV Engenharia e Participações SA.

“O referido acordo foi celebrado em decorrência do know-how, capacidade técnica e experiência que o SoftBank poderá contribuir ao Banco”.

Representantes do Banco Inter

O SoftBank, com sede em Tóquio, possui um montante de bilhões de dólares investidos na América Latina, concentrando-se em cerca de 300 pontos de interesse. O grupo já gastou mais de US$ 1 bilhão em um fundo de US$ 5 bilhões lançados em março para financiar empresas de tecnologia na região.

As ações preferenciais do Banco Inter aumentaram mais de 500% desde a abertura do capital
As ações preferenciais do Banco Inter aumentaram mais de 500% desde a abertura do capital

As ações preferenciais do Banco Inter aumentaram mais de 500% desde a abertura do capital, entre os IPOs com melhor desempenho da região, segundo dados compilados pela Bloomberg.

A empresa, que começou como um banco focado no setor imobiliário, se reinventou como um credor online no país, oferecendo contas e produtos com taxa zero, além de vender serviços de investimento e corretagem. Agora, ela detém grande parte do mercado e tem crescido cada vez mais no mercado nacional e internacional.

SoftBank na América Latina

Com mais recursos, é possível acelerar a revolução da inteligência artificial por meio de investimentos em empresas líderes de mercado
Com mais recursos, é possível acelerar a revolução da inteligência artificial por meio de investimentos em empresas líderes de mercado

E não é só no Banco Inter que o grupo SoftBank tem investindo pela América Latina. E o ponto forte do fundo de investimento criado pelo banco, visa fortemente startups. Intitulado Vision Fund, ele tem como meta alcançar US$ 108 bilhões, 8 bilhões superiores ao fundo criado em 2016, e o principal investidor tem sido o próprio banco mesmo, com o US$ 38 bilhões.

“Com mais recursos, é possível acelerar a revolução da inteligência artificial por meio de investimentos em empresas líderes de mercado que crescem por meio da tecnologia.”

Masayoshi Son, Fundador do SoftBank

A ideia é que empresas grandes como Apple, Microsoft e Foxconn participem mais ativamente e invistam nesse fundo. E a ideia tem sido incentivar novos mercados e injetar dinheiro para que os negócios alavanquem.

Aqui no Brasil, mais dois casos aconteceram com o próprio SoftBank. Em um deles, o grupo investiu mais de US$ 100 milhões na Loggi, que realiza transporte de mercadorias e de alimentos. Esse investimento elevaou a avaliação da startup de entregas para US$ 1 bilhão. No ano passado, o Softbank já havia realizado um investimento de R$ 400 milhões na companhia, demonstrando confiabilidade.

O outro investimento do grupo no Brasil foi na fintech Creditas, empresa que oferece empréstimos pessoais com garantia em imóveis ou carros. Com o investimento de US$ 200 milhões a Creditas agora está avaliada em US$ 700 milhões.

Por outro lado, um dos problemas visto por muitos investidores, é de que, dado seu tamanho e a velocidade com que o grupo tem fechado negócios, o Softbank já esteja inflacionando preços num mercado relativamente pequeno. E isso gera uma falsa impressão de que o grupo está investindo em empresas que não dão lucro.

Porém, em entrevista ao Brazil Journal, André Maciel, um dos managing investment partners do Softbank, comentou que esse é um jeito distorcido de ver as coisas. E o ponto é justamente investir em empresas que estarão na Bolsa daqui a 15 anos, fazendo valer o investimento a longo prazo.

Os investimentos, de fato, trazem lucro e trazem mais capital para o país, e além disso, gera mais confiança entre as empresas nacionais e o mercado estrangeiro. Os investimentos do SoftBank podem, de fato, começar a alavancar a economia nacional, e investir em empresas que terão bons produtos ao longo do tempo.

Fonte: Bloomberg

1 Comentário

Clique aqui para postar um comentário