Preços de eletrônicos aumentam no Brasil durante a pandemia

eletronicos destaque
Levantamento apontou que os preços de videogames e filmadoras foram os que mais aumentaram entre fevereiro e junho de 2020
Anúncio
Samsung  campanha  Connected Living para promover conectividade de produtos  do lar

Os preços de produtos eletrônicos aumentaram durante a pandemia de COVID-19. Entre os produtos cujos preços mais aumentaram estão consoles de videogame e filmadoras, que ficaram 32% e 29% mais caros, respectivamente.

É o que aponta um levantamento realizado pelo Zoom, site e app comparador de preços e produtos. O estudo listou os itens com as maiores variações de preços (tanto para mais quanto para menos) entre 1º de fevereiro e 1º de junho.

Levantamento de preços de eletrônicos

Para realizar este estudo, a equipe de Business Intelligence da empresa fez o acompanhamento dos preços médios dos eletrônicos em três fases:

  • Entre 1º de fevereiro e 12 de março, mostrando os valores anteriores ao início da pandemia do novo coronavírus no Brasil;
  • De 13 de março a 22 de abril, o primeiro momento da quarentena após orientação de isolamento social;
  • De 23 de abril a 1º de junho, quando a compreensão e as necessidades da população na quarentena começaram a mudar.

O levantamento listou três destaques em relação aos preços de algumas categorias de produtos: ocorreram duas altas e uma queda de preço.

Segundo o estudo, em fevereiro o preço médio dos videogames era R$1.546,12. Em maio, esse preço médio subiu para R$2.040,04, um aumento de 32% entre os períodos pré e pós-quarentena.

Pessoa jogando videogame que teve maior alta de preços
Videogames tiveram maior alta de preços no Brasil

Já em relação às filmadoras, ainda de acordo com o levantamento, os preços médios foram de R$1.840,78 (na fase um) para R$2.377,76 (na fase três), acumulando um aumento de 29%.

Só que a análise também apontou que os smartwatches foram a categoria de eletrônicos que registrou a maior queda durante o período estudado. Os preços médios desses produtos foram de R$1.028,07 (na fase um) para R$806,71 (na fase dois), o que representa uma queda de 21,5%.

“O aumento do dólar é um dos fatores para a variação dos preços de eletrônicos, principalmente no caso de itens que não são fabricados no país. Mesmo os produtos que contam com produção nacional podem sofrer variação, já que entre seus componentes estão peças importadas.”

Thiago Flores, CEO do Zoom

O executivo da empresa também ressaltou que cada varejista e fabricante possui estoques distintos e sistemas de logística diferentes. Portanto, disse Flores, existem diversos fatores que contribuem para a precificação de produtos eletrônicos. “Por isso, não é correto afirmar que só a alta da moeda dos EUA é que aumenta o valor da importação e impacta nos preços dos eletrônicos”, explicou o CEO.

Para Murilo Tunholi, especialista de produto do Zoom das categorias notebooks e jogos, a questão é ainda mais complicada nessas categorias. “Além da alta do dólar, as barreiras físicas para importação de consoles, como portos e aeroportos com acesso restrito, também contribuem para a alta de preços”, disse Tunholi.

Confira abaixo a variação dos preços dos eletrônicos das categorias mais buscadas:

Produtos eletrônicos com alta de preço

Categoria01/02 a 12/0313/03 a 22/0423/04 a 01/06Balanço do período
Console de videogameR$1.546,12R$1.773,98R$2.040,04alta de 32%
FilmadoraR$1.840,78R$1.842,92R$2.377,76alta de 29%
Impressora multifuncionalR$764,99R$682,59R$915,17alta de 20%
Fone de ouvido e headsetR$182,93R$205,00R$209,69alta de 15%
Câmera digitalR$3.536, 70R$3.399,90R$3.935,95alta de 11%
Smart speakerR$294,05R$349,17R$326,56alta de 11%
PC/ComputadorR$2.687,54R$2.997,63R$2.508,07alta de 7%
NotebookR$2.916,98R$3.024,29R$3.177,07alta de 9%
Home TheaterR$1.216,41R$1.085,57R$1.255,10alta de 3%
(Fonte: Zoom)

Produtos eletrônicos com queda de preço

Categoria01/02 a 12/0313/03 a 22/0423/04 a 01/06Balanço do período
SmartwatchR$1.028,07R$870,24R$806,71queda de 21,5%
TVR$2.164,06R$1.986,98R$2.017,13queda de 7%
CelularR$1.851,32R$1.912,76R$1.783,85queda de 4%
TabletR$1.544,54R$1.423,55R$1.490,52queda de 3,5%
Caixa de som BluetoothR$882,82R$832,19R$880,44queda de 0,3%
Leitor digital de EbookR$376,78R$360,08R$376,53não houve oscilação
(Fonte: Zoom)

Influência da alta do dólar

Dólar na bolsa de valores
Alta do dólar pressiona preços de itens que dependem de insumos importados

A cotação do dólar acumulou alta de 32,5% em 2020. Incertezas na economia, tensão política e juro básico na mínima histórica influenciam esse aumento do valor da moeda dos EUA em relação à moeda brasileira. Com isso, o dólar acima da marca de R$5 virou realidade durante a pandemia do novo coronavírus.

Esse aumento acaba pressionando os preços de itens que dependem de insumos importados para sua produção, como combustíveis, alimentos e eletrônicos.

Por conta da crise provocada pelo avanço da COVID-19, a demanda por produtos diversos enfraqueceu. Essas dificuldades no mercado tendem a diminuir os repasses para preços de itens básicos como gasolina e pães (ambos fabricados a partir de commodities — petróleo e trigo — que acompanham a variação do dólar).

No primeiro semestre deste ano, novos cortes na taxa básica de juro deram fôlego à disparada do dólar. Só que quanto menor o juro, menor o ganho com investimentos no Brasil. Isso deixa o país menos atrativo para investidores.

Menos investidores estrangeiros significa menos dólares circulando no mercado financeiro do Brasil. E com menos dólares disponíveis, a cotação sobe. Juntando isso às incertezas na economia trazidas pela crise do novo coronavírus, os investidores escolhem depositar recursos em mercados com menos riscos do que o brasileiro.

Fontes: Gaúcha ZH e Zoom

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário