NASA e Elon Musk se unem para evitar colisões no espaço

Nasa e elon musk se unem para evitar colisões no espaço
Acordo entre NASA e SpaceX pretende evitar colisões no espaço entre satélites e naves a partir de maior comunicação entre as duas iniciativas

A NASA e Elon Musk, através da SpaceX, companhia espacial que pertence ao bilionário, assinaram um contrato para evitar colisões no espaço entre a rede de satélites para internet Starlink e as naves espaciais da NASA. Com isso, ambas as iniciativas esperam tornar mais seguras as missões para o espaço.

Colisões no espaço e lixo espacial, inimigos da exploração

Colisões no espaço
Steve Jurczyk, administrador da NASA.

O foco desse acordo é impedir colisões no espaço entre naves da NASA e a grande quantidade de satélites da SpaceX, que atualmente se encontram na órbita da Terra. Segundo o administrador da NASA, Steve Jurczyk, a comunicação entre as empresas privadas e as iniciativas públicas no espaço precisam existir, já que com cada vez mais satélites e missões sendo lançadas, o perigo de colisões no lançamento e conjunções (aproximação perigosa entre 2 objetos no espaço) por falta de comunicação vai aumentando.

Os sistemas da Starlink contam com receptores de sinal GPS que estimam os parâmetros orbitais, e um sistema de propulsão de íons, que juntos constituem um sistema de manobras automáticas que irá movimentar os satélites conforme naves forem se aproximando. Com as informações compartilhadas entre a NASA e a SpaceX, é possível que esse sistema consiga evitar colisões no espaço com mais precisão. O acordo deixa claro que, sem aviso prévio da SpaceX, a NASA não deve manobrar seus satélites ou naves, para evitar uma possível colisão tentando evitar outra.

O acordo, entretanto, não trata o problema de lixo espacial que pode causar muitas colisões com novos satélites ou naves. Conforme explicado no especial do Showmetech sobre o tema e comentado no episódio 24 do ShowmeCAST, lixo espacial é tudo aquilo que não é mais funcional e está parado no espaço, como módulos de missões anteriores, satélites não mais ativos e fragmentos das colisões desses objetos.

A Terra possui diferentes órbitas e três delas são a órbita terrestre baixa (LEO), a órbita terrestre média (MEO) e a órbita geoestacionária (GEO). A LEO, conforme indicado pelo nome, é a mais próxima de nós e também a que conta com mais lixo, já que é nela onde a  Estação Espacial Internacional está localizada e é nela também onde empresas como a SpaceX e OneWeb estão enviando constantemente diversos novos satélites. Os sistemas presentes nas missões e satélites da Starlink também irão calcular a localização desses detritos, fazendo assim com que colisões no espaço com esse tipo de material também sejam evitadas.

Para mais informações sobre a NASA e a SpaceX, fique de olho no Showmetech. Aproveite para escutar o ShowmeCAST 24, que aborda o tema do lixo espacial:

Fonte: SapoTek, Reuters.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário