Mercado Livre cresce na pandemia em 185%, e agora olha para o delivery

Mercado livre cresce na pandemia em 185%, e agora olha para o delivery
Valendo US$ 77 bilhões, Mercado Livre cresce na pandemia e pretende ingressar no setor de delivery e venda alimentos frescos

O site de compra e venda de produtos Mercado Livre cresce na pandemia cerca de 185% e ultrapassa o valor de mercado da Petrobras e de bancos tradicionais como Itaú, Santander, Bradesco e Banco do Brasil. O marketplace argentino conseguiu, inclusive, ultrapassar a mineradora Vale em agosto, ficando na primeira posição como a empresa latino-americana mais valiosa. 

Desde o início da pandemia de COVID-19 até agora, o valor do Mercado Livre na bolsa de valores americana Nasdaq passou de US$ 27 bilhões para US$ 77 bilhões. De acordo com Stelleo Tolda, cofundador do Mercado Livre, a companhia cresceu no último ano, o que era esperado para os próximos dois anos. Ele acredita que o isolamento social acabou contribuindo para o crescimento do marketplace, pois muitas pessoas passaram a recorrer aos e-commerces para fazer as compras durante a pandemia.

Vale ressaltar que as vendas online tiveram um aumento considerável em 2020 em relação aos anos anteriores. De acordo com uma pesquisa da Ebit/Nielsen, as vendas virtuais no Natal tiveram alta de 44,6%, fazendo o varejo online faturar cerca de 3,8 bilhões, contra R$ 2,6 bilhões em 2019.

Mercado livre cresce na pandemia
De acordo com dados da Economatica, o Mercado Livre chegou a ser a empresa mais valiosa da América Latina em agosto de 2020

Mercado Livre cresce na pandemia e prepara novos voos

O Mercado Livre cresce na pandemia e está de olho em outro nicho, o delivery de restaurantes. Ainda não se sabe ao certo se o app de delivery da empresa vai entrar no mercado para concorrer com aplicativos como Uber Eats e iFood, que são voltados apenas para a entrega de comida. Ou se o app de delivery do Mercado Livre vai ser como o Rappi, que realiza entregas de alimentos e produtos diversos.

A companhia também pretende começar a vender alimentos frescos na plataforma. Já é possível encontrar alimentos secos à venda no marketplace. Feijão, leite em pó, arroz e outros produtos com data de validade maior já são vendidos no app do Mercado Livre e no site. Mas a novidade vai permitir que os varejistas comecem a vender alimentos mais perecíveis. Por isso, no final do ano, o Mercado Livre anunciou que iria abrir mais cinco centros de distribuição no Brasil com o objetivo de tornar as entregas mais rápidas. O investimento em logística é o primeiro passo para que o Mercado Livre consiga garantir a entrega dos produtos perecíveis no mesmo dia da compra. 

Aviões do mercado livre
Mercado Livre vai investir em frota de aviões para agilizar as entregas no Brasil

Mercado Pago também cresceu durante a pandemia

O Mercado Pago, fintech do Mercado Livre, também viu seus negócios crescerem na pandemia. Durante o pagamento do auxílio emergencial, o Mercado Pago registrou a abertura de cerca de 7 milhões de contas. O crescimento da fintech aconteceu justamente em um momento onde as instituições bancárias acirraram a disputa para ganhar novos clientes. 

O Mercado Libre (Mercado Livre em português) foi fundado na Argentina em 1999 por Marcos Galperin e tem como cofundador o brasileiro Stelleo Tolda. A companhia, que opera em 19 países, é uma das empresas mais promissoras da América Latina e pode chegar mais longe nos próximos anos, ao que tudo indica.

Fonte: InfoMoney [1] e [2]; Época Negócios; SunoResearch; IstoÉ; Economatica

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário