Lançamento do iPhone 12 deve atrasar um mês por conta da pandemia de COVID-19

Lançamento do iPhone 12 deve atrasar
Demanda baixa e problemas na cadeia de suprimentos causados pela pandemia de COVID-19 devem atrasar o lançamento do iPhone 12

A produção dos quatro modelos do iPhone 12 deve começar mais tarde neste ano, por conta da demanda baixa e problemas na cadeia de suprimentos causados pela pandemia de COVID-19. A cadeia de produção vai entrar em ritmo normal em julho ou, no máximo, em agosto. Geralmente, a Apple costuma dar início à produção dos novos modelos em maio ou início de junho.

Atraso na produção significa atraso no lançamento. Em anos normais, a empresa apresenta os novos iPhones no início de setembro e começa a vendê-los em outubro. Mas em 2020 este cronograma deve ser alterado. Por conta dos atrasos, causados pela pandemia, o lançamento dos modelos do iPhone 12 talvez aconteça em outubro ou novembro. Ainda não se sabe ao certo, mas a previsão é que o atraso seja de pelo menos um mês.

Complicações da pandemia

A Apple não escapou de ser atingida pelas complicações causadas pela pandemia do novo coronavírus. Além do fechamento de lojas mundo a fora, a equipe de engenharia da empresa não pôde viajar para a China por conta das restrições de viagem. Por conta disso, a equipe precisou recorrer a chamadas de vídeo para conduzir as montagens dos protótipos nas fábricas chinesas.

Possível design do novo iPhone 12
Lançamento do iPhone 12 deve atrasar um mês

O atraso, em si, não é a única preocupação da Apple. A empresa também está se preparando para a possibilidade de um número considerável de pessoas evitar comprar os novos modelo do iPhone esse ano. Inclusive, a companhia aparentemente planeja reduzir a produção de smartphones em até 20% no segundo semestre de 2020.

Novas tecnologias Mini-LED e MicroLED

Enquanto a Apple corre para produzir e lançar os modelos do iPhone 12 ainda neste ano, em paralelo a empresa investiu US$334 milhões (aproximadamente R$1,7 bilhão, na cotação atual) na construção de uma fábrica de telas em Taiwan. A ideia é investir na produção de telas desenvolvidas com duas novas tecnologias: o Mini-LED e MicroLED, que devem equipar boa parte dos produtos da Apple que serão lançados nos próximos anos.

As novas tecnologias têm uma série de vantagens em relação aos displays de LCD e OLED. Entre elas está a espessura mais fina dos displays e consumo menor da bateria. Telas de MicroLED consomem um décimo da energia que as telas de LCD, e a saturação das cores chega bem perto do OLED. Outras vantagens dos displays de MicroLED, em comparação ao OLED, é que eles suportam taxas de brilho e de atualização (“refresh rate“) mais altas.

Representação do MicroLED
MicroLED tem série de vantagens em relação ao OLED

O Mini-LED, considerado um meio termo entre o LED tradicional e o MicroLED, é mais simples de se produzir e terá a prioridade inicial. Este deve chegar aos novos dispositivos da Apple entre 2020 e 2021 (mas o iPhone 12 não está entre eles). Já o Micro-LED, que é mais complexo de se desenvolver e produzir, deve estrear primeiro no Apple Watch e chegar a outros produtos num futuro mais distante.

Os produtos que devem estrear entre 2020 e 2021 com displays de Mini-LED são: 

  • iPad Mini de 7,9 polegadas;
  • iPad de 10,2 polegas;
  • iPad Pro de 12,9 polegadas; 
  • iMac Pro de 30 polegadas;
  • MacBook Pro de 14,1 polegadas;
  • MacBook Pro de 16 polegadas. 

A Apple terá duas parcerias nessa jornada: a produtora de LEDs Epistar e a fabricante de painéis LCD AU Optronics. A nova fábrica será localizada no Parque Científico de Hsinchu e a empresa já enviou uma equipe de desenvolvimento para negociar os detalhes da construção.

O que esperar do iPhone 12

Possível design do novo iPhone 12
Especificações dos modelos do iPhone 12 vazaram na imprensa

Os rumores, com base nas especificações que vazaram para a imprensa, apontam que os novos iPhones virão em quatro modelos e em três tamanhos: o iPhone 12 de 5,4 polegadas, iPhone 12 Max de 6,1 polegadas, iPhone 12 Pro de 6,1 polegadas e o topo de linha iPhone 12 Pro Max de 6,7 polegadas. Todos terão chip A14, conexão 5G e telas OLED. Os modelos mais avançados poderão contar, também, com taxa de atualização de 120 Hz.

Uma novidade no portfólio da Apple é o modelo de iPhone apenas com “Max” no nome. Por ora, só existem modelos simples e modelos “Pro Max”. As especificações também apontam para telas com tecnologia Super Retina XDR, armazenamento entre 128 GB e 512 GB e sensor 3D LiDAR (nas versões Pro), usado para impulsionar aplicativos com realidade aumentada.

O iPhone 12 e o iPhone 12 Max devem contar com tela OLED com resolução Super Retina. Já o iPhone 12 Pro e iPhone 12 Pro Max devem contar com painel OLED Super Retina XDR e profundidade de cores de 10 bits.

As versões mais simples devem ter construção em alumínio, câmera dupla, memória RAM de 4 GB e armazenamento de 128 GB e 256 GB. Já os modelos Pro devem ter construção em aço inoxidável, sistema com três câmeras e um sensor 3D LiDAR, 6 GB de memória RAM e uma terceira opção de armazenamento de 512 GB.

Confira abaixo a lista de preços dos novos modelos, de acordo com o vazamento:

  • iPhone 12: US$ 649 (128 GB, R$ 3.270), US$ 749 (256 GB, R$ 3.774);
  • iPhone 12 Max: US$ 749 (128 GB, R$ 3.774), US$ 849 (256 GB, R$ 4.278);
  • iPhone 12 Pro: US$ 999 (128 GB, R$ 5.034), US$ 1.099 (256 GB, R$ 5.539), US$ 1.299 (512 GB, R$ 6.547);
  • iPhone 12 Pro Max: US$ 1.099 (128 GB, R$ 5.539), US$ 1.199 (256 GB, R$ 6.043), US$ 1.399 (512 GB, R$ 7.050).

Os preços em reais foram convertidos de acordo com a cotação atual do dólar.

Fontes: CENS, MacRumors e Wall Street Journal

1 Comentário

Clique aqui para postar um comentário