Julgamento da greve dos Correios ocorre nesta segunda (21)

Julgamento da greve dos Correios ocorre nesta segunda
Audiência de conciliação no dia 11 não firmou acordo entre manifestantes e empresa, e o julgamento da greve dos Correios pelo TST visa definir novo dissídio
Anúncio
Samsung  campanha  Connected Living para promover conectividade de produtos  do lar

Após mais de um mês de paralisação, hoje (21) ocorre o julgamento da greve dos Correios pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). A greve teve início em 17 de agosto, após a discussão de propostas de privatização da estatal e alterações nos benefícios trabalhistas. Nesse julgamento os ministros do TST poderão decidir termos do novo acordo coletivo da categoria, o que deve incluir novo reajuste salarial e novas cláusulas.

No último dia 11 houve uma audiência de conciliação com vistas à manutenção do acordo coletivo da categoria firmado em 2019 e com vigência até 2021, que foi suspenso em 1º de agosto pelos Correios em virtude da pandemia do novo coronavírus. Cláusulas trabalhistas importantes, como a licença-maternidade de 180 dias, pagamento de adicional noturno, auxílio-creche e indenização por morte deixaram de estar em vigor.

Entretanto, durante a audiência do TST que durou mais de 2 horas, a diretoria dos Correios presente na audiência não apresentou uma contraproposta aos sindicatos dos trabalhadores. A suspensão do acordo coletivo, que a empresa alega ser necessária para conter gastos extras durante a pandemia, teve a anuência do Supremo Tribunal Federal (STF). Com o julgamento da greve dos correios hoje, espera-se que haja um acordo para o retorno das atividades.

Privatização não deve ser assunto do julgamento da greve dos Correios

Julgamento da greve dos Correios não deve tratar da privatização, em que o Magazine Luiza tem interesse
Magazine Luiza demonstrou interesse na privatização dos correios

Outra demanda da paralisação dos funcionários é a privatização da companhia. A promessa de campanha do Presidente Jair Bolsonaro – que não é consenso entre a população brasileira – está sendo organizada pelo governo, e há grandes companhias interessadas nesta aquisição, como a brasileira Magazine Luiza e a multinacional de tecnologia Amazon.

“Somos 98.000 pais e mães de famílias que podem ficar sem emprego se os Correios forem privatizados”, afirma o presidente da Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores dos Correios (Findect), José aparecido Gandara. Dentre os temores dos manifestantes estão a entrega de um patrimônio nacional a uma empresa estrangeira, a redução do quadro de trabalhadores e a redução de atuação dos Correios em áreas remotas, que não geram lucro para a companhia.

Posicionamento dos Correios

Por meio de nota, os Correios reforçam sua posição de supressão das cláusulas do acordo coletivo:

“Desde o início da negociação do Acordo Coletivo de Trabalho 2020/2021, a empresa tem sido transparente sobre sua situação econômico-financeira, agravada pela crise mundial causada pela pandemia de COVID-19. Situação, inclusive, que vem sendo reiterada ao TST, que julgará a ação de dissídio”

Nota dos Correios

Em outra nota, a empresa informa que segue com as agências abertas ao público, e trabalha para diminuir o impacto da greve:

“Nas últimas quatro semanas, seguindo o plano de continuidade do negócio, já foram mais de 187 milhões de objetos postais, entre cartas e encomendas, entregues em todo o país”

Nota dos Correios

Fontes: Exame (1) (2), G1

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário