Elon Musk, CEO da Tesla, declara: “O lockdown é um movimento fascista”

elon musk
O empresário Elon Musk, critica as medidas de isolamento social nos EUA, que atualmente são o epicentro da doença com mais de 1 milhão de infectados pelo COVID-19, com em média 25 mil novos casos diariamente
Anúncio
Samsung  campanha  Connected Living para promover conectividade de produtos  do lar

Elon Musk, CEO da Tesla, é contrário à quarentena aplicada para conter a COVID-19. Na sua conta no Twitter, Musk revela uma série de postagens defendendo o fim do lockdown. Uma das postagens de Musk diz “FREE AMERICA NOW” (Liberte a América agora, em tradução livre).

Durante a apresentação de resultados trimestrais da Tesla na quarta-feira (29/04), Elon Musk criticou diretamente o lockdown estabelecido na Baía de São Francisco e em outras regiões dos Estados Unidos, em que alega que essas ações são movimentos “fascistas”. O discurso começou depois que Elon Musk disse: “Estamos um pouco preocupados por não poder retomar a produção na Baía de São Francisco, isso é considerado com um sério risco“. Ele continua, “A extensão do lockdown, que prende as pessoas à força é algo contra a todos os direitos constitucionais, na minha opinião, quebrar a liberdade das pessoas é algo horrível e errado”.

“Se alguém quer ficar em casa, ótimo, mas dizer que não podem sair de casa e serão presos se fizerem, isso é fascismo, isso não é democrático, isso não é liberdade. Devolva às pessoas sua maldita liberdade”

Elon Musk, CEO da Tesla.

Os conflitos com o governo já aconteceram outras vezes após o decreto de lockdown em serviços não essenciais na região de Buffalo, Musk manteve a fábrica de Buffalo aberta após cinco dias da obrigação de quarentena. Além disso, na semana passada, Elon Musk se envolveu novamente em conflitos desrespeitando a quarentena quando solicitou para os funcionários que retornassem ao trabalho na fábrica de Fremont.

Segundo a Bloomberg, os funcionários das áreas de estamparia e pintura da fábrica da Tesla em Fremont, Califórnia, receberam emails de seus supervisores solicitando que retornem ao trabalho na quarta-feira, 29. O planejamento da fábrica era retornar com a produção no dia 04 de maio, quando o período de quarentena terminaria, porém, certamente que esse período seja estendido até o fim de maio.

Elon Musk vem apresentando polêmicas sobre a COVID-19

Elon Musk vem tentando convencer o governo local que sua atividade é essencial e que não deve ser fechada. Além de quebrar as proibições impostas pelas autoridades sanitárias, o CEO da Tesla vem declarando diversas polêmicas sobre a COVID-19, questionando a ciência básica do coronavírus e afirmando que haveriam poucos casos nos EUA até o final de abril. Veja o que foi dito por Musk:

  • Desde o início da pandemia, ele alega que os médicos estão aumentando os números de casos por razões financeiras, e que a grande maioria das mortes na Itália são causadas por outros fatores;
  • Foi divulgado um estudo sobre os supostos benefícios da cloroquina, tratamento sem um estudo efetivo sobre sua cura e com risco de causar ataques cardíacos;
  • Em 06 de março, Elon Musk tweetou “the coronavirus panic is dumb” (o pânico do coronavirus é estupidez, em tradução livre);
  • Em 16 de março, a Tesla continuou aberta e com produção mesmo com uma solicitação de fechamento de todos os serviços não essenciais, e em seguida vários funcionários testaram positivo para a COVID-19;
  • De acordo com a BBC, Elon Musk declarou que as crianças são imunes à COVID-19, fato que é comprovadamente falso visto que o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA) confirmou que houve infecção em crianças em todos os 50 estados;
  • Em 31 de março, o CEO da Tesla tweetou que estaria fabricando ventiladores aprovados pela FDA, agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, e que seriam enviados para hospitais em todo mundo. Porém, foram enviadas máquinas de apneia do sono BiPAP com cinco anos de uso que não podem ser usadas no tratamento de vítimas de COVID-19;
  • Elon Musk enviou uma lista parcial de hospitais em que enviou os respiradores no dia 16 de abril. Um dia após, a CNN contatou os hospitais dessa lista que confirmaram que não receberam os respiradores e sim máquinas BiPAP de apneia do sono.

O estado da Califórnia é o mais populoso dos Estados Unidos com quase 40 milhões de habitantes e foi o primeiro a decretar o lockdown total para evitar a propagação do COVID-19. As medidas de isolamento social são essenciais para o controle da COVID-19, a curva de novas infecções vem diminuindo aos poucos e neste momento a quarentena não deve afrouxar, visto que a situação ainda não está controlada.

Os Estados Unidos são atualmente o epicentro da doença com mais de 1,07 milhão de infectados e 61.570 mortes, lembrando que nem todos conseguem fazer o teste e esse número pode ser ainda maior. Há cerca de 25 mil novos casos confirmados diariamente nos EUA, e certamente se as medidas de isolamento social forem reduzidas esse número aumentará novamente de forma catastrófica.

O pedido de Elon Musk é totalmente inviável nessa situação que o mundo está, a flexibilização do lockdown aumentou o número de infectados em outros países, como Alemanha, por exemplo. Após uma semana após registrar regras de flexibilização para o isolamento social, a Alemanha registrou os primeiros sinais de agravamento da pandemia de COVID-19. O Instituto Robert Koch que acompanha a evolução do vírus, indicou que o índice de infecção voltou ao patamar de 1,0, que significa que cada pessoa pessoa doente de COVID-19 contamina outra pessoa. Antes da flexibilização este índice estava em 0,7, o número mais baixo registrado, em abril.

Fonte: The Verge; New York Post; Exame.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário