Caixa planeja abrir banco digital em 2021

Caixa banco digital
Caixa econômica Federal pretende lançar o banco digital em seis meses, mas precisa esperar a aprovação do Banco Central

Durante a apresentação dos resultados financeiros da Caixa Econômica Federal no terceiro trimestre, o presidente da instituição, Pedro Guimarães, informou que pretende criar um banco digital nos próximos seis meses.

Segundo Guimarães, todo o processo operacional que a Caixa precisou realizar durante a pandemia acabou motivando a decisão. Em poucos meses foram abertas milhares de contas digitais para que os beneficiários do auxílio emergencial pudessem ter acesso aos depósitos do governo. Com isso, a Caixa viu uma oportunidade para entrar no mundo digital. 

O ministro da Economia, Paulo Guedes, chegou a comentar em outubro que viu com bons o processo de digitalização dos brasileiros durante a pandemia.  

“Na pandemia digitalizamos 64 milhões de pessoas. Quanto vale um banco com 64 milhões de pessoas que foram bancarizadas pela primeira vez e serão leais pelo resto da vida? Estamos planejamento um IPO deste banco digital nos próximos seis meses”

Paulo Guedes, ministro da Economia, durante um evento organizado pelo Milken Institute 

O banco digital da Caixa vai precisar passar por um processo de abertura de capital, que consistem em vendas de ações, tanto no Brasil quanto no exterior. E aguarda a aprovação do Banco Central. O presidente da Caixa está confiante e acredita que em seis meses poderá lançar o banco digital.

A proposta do novo banco é iniciar suas operações oferecendo três serviços básicos: aprovação de microcrédito, crédito habitacional para clientes de baixa renda e pagamento de benefícios sociais.

Decisão faz a Caixa entrar na corrida digital dos bancos 

Banco digital caixa
Abertura de contas digitais do app Caixa Tem serviu como impulso para Caixa criar banco digital

A Caixa e os demais bancos tradicionais estão perdendo espaço no mercado para os bancos digitais.  As instituições bancárias que não atualizarem seu portfólio de serviços para o digital, vão perder cada vez mais espaço para concorrência. Guimarães reconheceu essa necessidade ao afirmar que o Conselho de Administração da Caixa está discutindo internamente os próximos passos, mas que existe um “consenso que esse é um ponto chave para o futuro da Caixa Econômica Federal”.

Os bancos digitais fizeram uma verdadeira revolução no setor bancário. Extinção de agências bancárias, isenção de tarifas, abertura de conta online, ações até então impensáveis, mas que são uma realidade crescente atualmente. De acordo com o último balanço divulgado pelo Nubank, o número de clientes passou de 11 milhões para 26 milhões, nos últimos 12 meses, com uma média de 41 mil clientes novos por dia.

O C6 Bank obteve um aumento de 48% no número de clientes no terceiro trimestre deste ano. De acordo com o levantamento do UBS Group AG com dados do Banco Central, o C6 Bank  teve o maior crescimento entre os bancos digitais do Brasil. O relatório também mostrou que até o momento o país possui cerca de 60 milhões de contas digitais, o que pode ser visto como um sinal de alerta para as instituições bancárias tradicionais.

Além disso, novas soluções estão sendo incorporadas aos serviços dos bancos digitais. O banco Inter, por exemplo, atingiu um crescimento de cerca de R$ 2,5 milhões diários em transações no marketplace da instituição. De acordo com João Menin, presidente-executivo do Inter, as vendas no e-commerce ajudaram a aumentar as receitas do banco nos últimos meses. Já que as transações realizadas usando a plataforma garantem cashback (dinheiro de volta) para o cliente, além de comissões para o Inter. A decisão da Caixa vai colocar a instituição na disputa por uma fatia do mercado dos bancos digitais.

Fonte: Nubank; InfoMoney; MoneyTimes; Forbes; Caixa

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário