Android Wear: Google compra divisão de relógios inteligentes da Fossil

Relógio inteligente Fossil
Nova transação entre Google e Fossil, fabricante de relógios inteligentes famosa em todo o mundo deve ser o pontapé inicial que vai marcar a entrada da gigante de buscar nesse mercado

Google tem o desejo de se firmar no mercado de smartwatches, e não está medindo esforços para isso dar certo.  E agora, um passo extremamente importante deve ajudar isso a acontecer. A empresa que também é fabricante da linha de smartphones Google Pixel adquiriu uma tecnologia da Fossil, fabricante de relógios inteligentes. Saiba os detalhes dessa transação e a importância dela para as empresas.

Gigante de buscas quer provar que pode fabricar smartwatches

Os rumores de um relógio inteligente chamado Pixel Watch existem há muito tempo, e esse produto não seria considerado nenhuma “aberração”, já que a empresa conseguiria finalmente provar que seu sistema de relógios inteligentes (Wear OS) é útil e não deve ser deixado de lado. Parece que agora ele realmente pode ser lançado.

Possível aparência do Pixel Watch, relógio inteligente desenvolvido pelo Google
Essa seria a possível aparência do Pixel Watch

Na última quinta-feira (17), a Fossil, empresa consagrada no mercado de relógios inteligentes, anunciou que vendeu um “projeto em desenvolvimento” que foi negociado por US$ 40 milhões, e os funcionários que estavam envolvidos nisso passariam a integrar a equipe do Google.

Stacey Burr, vice-presidente do sistema Wear OS, ressaltou esse passo importante que as duas empresas deram:

“O acréscimo da tecnologia e a equipe do Grupo Fossil demonstra nosso compromisso com a indústria de dispositivos vestíveis, permitindo um portfólio diversificado de relógios inteligentes e apoiando as necessidades do consumidor que estão em constante evolução, sempre em busca de vitalidade e movimento.”

Burry também aproveitou para dizer sobre a importância dos smartwatches no dia a dia dos consumidores, citação que comprovou que o Google quer se estabelecer nesse mercado:

“Wearables foram construídos para o bem-estar, simplicidade, personalização e utilidade,  e têm a oportunidade de melhorar a vida das pessoas, trazendo aos usuários as informações e que eles precisam rapidamente, num piscar de olhos.”

Esse novo projeto é mais uma tentativa de fazer o Wear OS fazer sucesso, já que apesar de todos os esforços, os usuários vem optando por outros sistemas operacionais.

Android Wear: o inesquecível

Voltando um pouco no tempo, podemos relembrar a história do Wear OS. Em 2014, o Google anunciou sua entrada no mercado de relógios inteligentes, e ele recebeu o nome de Android Wear. Se unindo a várias marcas, o primeiro modelo lançado com esse sistema operacional foi o LG G Watch.

Esse modelo chegou ao Brasil em junho desse mesmo ano. Mas a empresa não estava gostando do nome de sua plataforma para smartwatches, então uma mudança foi feita.

Logomarca Android Wear
Wear OS, na verdade tinha outro nome

No início de 2018 (mais precisamente em março), o então Android Wear  passou a se chamar Wear OS. Não houveram mudanças na interface ou no design do sistema operacional nessa época, tudo foi feito apenas por causa de um novo conceito, explicado pela empresa:

“Esse novo nome reflete melhor nossa tecnologia, visão, e as pessoas que usam nossos relógios.”

Google queria desconectar a imagem do Android de seu sistema operacional para relógios inteligentes, pois isso fazia os consumidores esperarem uma mesma experiência do que o SO que estava rodando em smartphones. E obviamente isso não acontecia.

E mesmo com a mudança de nome, o Wear OS ainda precisa ganhar um destaque, pois ainda é ofuscado por seus concorrentes.

Wear OS precisa ganhar relevância

Não podemos negar que o Wear OS (uma função reduzida do Android) é um ótimo sistema, mas por algum motivo ele não tem feito tanto sucesso. A empresa então vem fazendo mudanças que possam fazer os usuários escolhê-lo ao invés dos sistemas dos concorrentes.

Relógios Fossil com o sistema operacional do Google, chamado Wear OS
Alguns modelos da Fossil já rodam o SO desenvolvido pelo Google

A mudança mais relevante foi no ano passado, quando o sistema ganhou um novo design e foi totalmente renovado, mas isso não foi suficiente para colocar na mente dos usuários que o Wear OS é útil e funcional.

A Fossil é uma das poucas empresas que está conseguindo manter estável no mercado de relógios inteligentes, oferecendo produtos baratos e úteis ao mesmo tempo, e um software que conta com diversas funcionalidades. Alguns relógios inteligentes da marca usam o Wear OS, mas com algumas modificações.

Mas isso não significa que o Google esteja errando, pois o setor de smartwatches está dominado por algumas empresa há um tempo.

Google tem longa jornada, e Fossil será importante

Ao adquirir a Fossil, a gigante da internet começa uma possível jornada para o sucesso. A empresa primeiramente tem que enfrentar a Apple com os famosos Apple Watches, não se esquecendo que, Samsung (Galaxy Watch) também está presente nesse setor. A Fitbit também é uma das lídees desse mercado.

Três smarwatches, da Samsung e Apple
Empresa precisa desbancar líderes desse mercado

Obviamente nada é impossível, e o Google pode sim lançar um produto com a mesma qualidade ou até uma qualidade maior que seus smartphones da linha Pixel. Com o nome provisório de Pixel Watch, muitos rumores atingem a empresa, e a compra de uma fabricante relógios inteligentes reforça que um novo pode estar a caminho.

Possível relógio inteligente do Google
Veremos um relógio inteligente da gigante de buscas ainda esse ano?

Por enquanto, nos resta apenas esperar para saber se conheceremos os frutos dessa parceria ainda esse ano. Até isso acontecer, as líderes desse setor podem reinar por mais um tempo, mas é bom elas saberem  que um concorrente de peso está preparando um novo produto.

Fonte: TechCrunch

O que acha desse novo investimento do Google? Diga pra gente nos comentários!

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário

Deixe uma resposta