Ações da Zoom valorizam 250% e ultrapassam AMD e Uber

zoom destaque scaled
As ações da startup dispararam por conta da pandemia do novo coronavírus e das medidas de distanciamento social
Anúncio
Samsung  campanha  Connected Living para promover conectividade de produtos  do lar

Só neste ano, as ações da startup Zoom, que oferece chamadas de vídeo em grupo, valorizaram 250% e seguem em alta no mercado financeiro. Isso aconteceu por conta das medidas de distanciamento social motivadas pela pandemia do novo coronavírus.

Em tempos de pandemia, precisamos nos adaptar a trabalhar, estudar e nos relacionar com familiares e amigos de maneira remota. A Zoom surfou nessa onda e se tornou a plataforma favorita de chamadas de vídeo em grupo entre os usuários, tanto no Brasil quanto no mundo. E isso aconteceu mesmo com os gigantes Google e Facebook oferecendo serviços parecidos.

Atualmente, o valor de mercado (preço de cada ação multiplicado pela quantidade de papéis) da Zoom é de US$67,43 bilhões. Já o valor das ações da startup, que foram de US$68 para US$239 em seis meses, supera algumas gigantes globais, como AMD, GE, Petrobras e Uber.

Altos e altos das ações da Zoom em 2020

Logo da Zoom, cujas ações valorizaram 250%
Ações da Zoom foram impulsionadas pela pandemia do novo coronavírus

Entre segunda-feira (15) e esta terça-feira (16), as ações da Zoom valorizaram 9%, o que marcou um recorde de valorização. Entre maio e junho, a empresa valorizou 45% no mercado financeiro. Esse desempenho ultrapassa até o da Tesla, de Elon Musk, que valorizou 130% neste ano. 

Confira abaixo um gráfico que compara a valorização da Zoom, Tesla e NASDAQ-100 (índice de bolsa que reúne 100 das maiores empresas não financeiras da bolsa norte-americana NASDAQ) em 2020:

Desempenho das ações da Zoom

Parte do sucesso das ações da Zoom durante a pandemia vem do fato de a startup oferecer um serviço acessível, funcional e gratuito. Culturalmente falando, a plataforma acabou se tornando um marco desta fase de transição entre “mundo pré-pandemia” e “mundo pós-pandemia”.

Segundo o colunista Nigam Arora, do site MarketWatch, o bom desempenho da Zoom no mercado financeiro em 2020 vem, também, do smart money. Este é o nome dado ao dinheiro que se aplica em oportunidades durante uma crise.

O valor de mercado da Zoom já ultrapassou diversas gigantes de vários setores. Veja abaixo:

  • Unilever (US$64 bilhões);
  • GE (US$63,3 bilhões);
  • Grupo CME (US$62,6 bilhões);
  • Colgate-Palmolive (US$62,4 bilhões).

Se o crescimento da startup continuar neste ritmo, a previsão é que, em breve, seu valor de mercado ultrapasse até o do grupo financeiro multinacional Goldman Sachs.

Um artigo publicado recentemente pelo site The Motley Fool apontou que num futuro próximo a Zoom pode integrar o índice americano S&P 500, que lista as 500 maiores empresas na Bolsa de Nova York.

Porém, o colunista Arora alerta que o preço das ações da startup no mercado financeiro pode despencar no pós-pandemia. Isso porque quando a população mundial voltar, gradativamente, às relações presenciais, a demanda por chamadas de vídeo para trabalhar, estudar e se relacionar vai cair.

Questões de segurança

CEO da Zoom
CEO da Zoom, Eric Yuan

Apesar do sucesso atual da Zoom, é preciso relembrar que, recentemente, a startup se envolveu em polêmicas relacionadas a segurança e criptografia. No final de abril, a startup removeu códigos de seu app no iOS que estava compartilhando dados com o Facebook. A medida foi necessária porque o SDK do Facebook estava coletando informações dos usuários sem autorização.

Além disso, milhares de usuários reportaram, no começo do ano, que suas informações pessoais, como endereço de e-mail e fotos, foram compartilhadas com estranhos. Outro problema é que as chamadas do aplicativo ainda não são criptografadas ponta-a-ponta.

Países como a Alemanha, Austrália e Taiwan chegaram a pedir às agências de seus governos para pararem de usar o Zoom para videoconferências. Google e SpaceX também pediram isso aos seus funcionários.

A startup está tentando resolver as falhas de segurança e contratou dezenas de consultores em segurança para isso. A empresa está usando, também, os serviços de segurança cibernética da CrowdStrike.

Além de aprimorar sua infraestrutura, a Zoom fez acordo com a Oracle e anunciou a aquisição da Keybase, que é um serviço de compartilhamento de mensagens. A ideia é incorporar, finalmente, a criptografia de ponta-a-ponta na plataforma.

Fontes: The Next Web e InfoMoney

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário