5G pode ajudar recuperação econômica do Brasil no pós-pandemia, segundo Nokia e Omdia

Ilustração do conceito de 5G
5G pode adicionar 1% ao PIB brasileiro, segundo estudo da Nokia e da Omdia que explorou quais seriam impactos da implantação na América Latina
Anúncio
Samsung  campanha  Connected Living para promover conectividade de produtos  do lar

Um estudo inédito, realizado pela Nokia em parceria com a Omdia, explorou quais seriam os impactos da implantação do 5G na economia do Brasil e da América Latina.

Segundo o estudo, divulgado nesta sexta-feira (28), o 5G pode adicionar até um ponto percentual ao PIB brasileiro e se tornar um dos motores da recuperação econômica do país no pós-pandemia. O estudo aponta também que a tecnologia vai contribuir para a economia global, com um impacto médio previsto em 5% até 2035.

O paper “Why 5G in Latin America?” reúne informações sobre o atual cenário de conectividade na região e traz previsões sobre a implementação da tecnologia 5G na América Latina.

“O 5G trará grandes impactos para a sociedade e muitos benefícios também. O estudo voltado para a América Latina com a Nokia traz informações interessantes de como a tecnologia poderá ser aproveitada e o que há em jogo com o atraso da adoção do 5G.”

Ari Lopes, analista sênior da Omdia

Impactos gerais do 5G no Brasil

Ilustração do conceito de 5G
Paper da Nokia e da Omdia explorou impactos do 5G no Brasil

O estudo elaborado em conjunto pela Nokia e pela Omdia aponta que a implantação de redes 5G vai representar uma transformação digital e impulsionar a produtividade na América Latina, principalmente no Brasil.

A expectativa, de acordo com o estudo, é que o 5G tenha um impacto de até US$1,2 trilhão no PIB do Brasil entre 2021 e 2035. O paper aponta que os setores mais impactados (positivamente) serão:

  • Tecnologia, Informação e Comunicação (US$241 bilhões);
  • Governo (US$189 bilhões);
  • Manufatura (US$181 bilhões);
  • Serviços (US$152 bilhões);
  • Varejo (US$88 bilhões);
  • Agricultura (US$77 bilhões);
  • Mineração (US$48,6 bilhões).

A área governamental – isso inclui educação pública e saúde – deve contar com melhoria da conectividade por meio do enhanced Mobile Broadband (eMBB) e Fixed Wireless Access (FWA). Isso porque, segundo o estudo da Nokia, o Brasil ainda tem um grande desafio em conectar serviços públicos à internet, especialmente em áreas rurais e remotas.

Agora do ponto de vista da saúde, o estudo prevê que o 5G vai melhorar os serviços de telemedicina, suportando diagnóstico remoto, tratamento e monitoramento de pacientes. Isso deve aumentar a cobertura dos serviços de saúde.

Ainda considerando as políticas governamentais, o estudo coloca que o 5G pode ser um facilitador chave para as soluções de Smart Cities (as “Cidades Inteligentes”). Isso porque com a tecnologia 5G, a conectividade nas cidades tende a ser maior, o que gera a interconexão entre os dispositivos móveis e a infraestrutura gerada para administrar esses novos conceitos.

“No Brasil, onde cerca de 85% da população vive em áreas urbanas, e cidades como São Paulo e Rio de Janeiro estão entre as maiores do mundo, o 5G ajudará a resolver diversos desafios já existentes.”

Paper “Why 5G in Latin America?” da Nokia e da Omdia

De acordo com o estudo, a combinação de big data e 5G na infraestrutura urbana pode apoiar os administradores da cidades em áreas como:

  • Trânsito e transporte: a conexão de infraestrutura urbana de semáforos, estacionamentos e ônibus traria benefícios como redução do tempo de inatividade e localização e monitoramento de ônibus;
  • Smart Lightning: as iniciativas na área são cada vez maiores e o setor se beneficia com uma taxa exclusiva dos cidadãos para iluminação pública, tornando-se um exemplo de serviço com fonte de financiamento definida;
  • Monitoramento de vídeo: o Brasil tem um dos maiores índices de criminalidade do mundo. Os sistemas de reconhecimento facial baseados em vídeo têm sido avaliados cada vez mais pelas cidades, então, o 5G é ideal para resolver a questão da limitação de disponibilidade de conectividade de alta capacidade.

Considerando as várias redes que os governos precisarão gerenciar no futuro, o estudo aponta que uma única camada de conectividade para todos os casos de uso é mais simples de gerenciar do que múltiplas tecnologias.

Nesse contexto, o 5G é o candidato mais óbvio para ser esta “camada única”, de acordo com o estudo da Nokia com a Omdia. Isso porque a tecnologia possui capacidade de fornecer desempenho semelhante ao da fibra óptica em situações de banda larga fixa e desempenho superior em dispositivos móveis.

Impactos econômicos no Brasil

Imagem de uma tela com ações de empresas
Diversos setores da economia brasileira seriam beneficiados com a implantação do 5G

Agora falando especificamente sobre a economia do país, vamos começar pelo setor de manufatura. Segundo o paper, este deve ser uma das verticais que se beneficiará com o 5G, por meio da implementação de veículos guiados automatizados (AGVs, na sigla em inglês).

Esses veículos poderão ser usados em fábricas e armazéns inteligentes, permitindo o planejamento de caminhos flexíveis e a substituição de correias transportadoras, segundo o estudo. O 5G também vai permitir a localização de peças e equipamentos com precisão, o que deve otimizar os processos.

Em relação à mineração, o paper aponta que há a necessidade de gerenciamento de operações de alto risco. Isso torna este setor um forte candidato a estar entre os primeiros a adotar o 5G habilitado para serviços, de acordo com o estudo.

Algumas iniciativas usando redes privadas de 4G até foram implementadas em minas e represas, que são locais que geralmente não possuem cobertura de sinal. Mas o 5G, de acordo com o paper, vai trazer uma QoS (Quality of Service, ou “Qualidade de serviço” em tradução livre) mais alta e vai atender os requisitos mais rígidos de latência e velocidade.

Ainda de acordo com o paper da Nokia e da Omdia, o setor varejista é uma das atividades econômicas mais importantes do Brasil e deve sentir rapidamente o impacto do 5G. O paper aponta que as velocidades mais rápidas, ativadas pelo eMBB, vai garantir a melhoria na experiência do cliente com serviços de realidade aumentada (AR) e realidade virtual (VR), no carregamento de páginas e em operações financeiras (pagamentos e transferências).

O suporte ao cliente deve melhorar também, segundo o paper, incluindo até chamadas de vídeo. Graças ao 5G FWA, os operadores poderão oferecer serviços SD-WAN (abordagem definida por software de gerenciamento da WAN) sem precisar investir altos valores em conexões de fibra até as instalações do seus clientes, de acordo com o estudo.

Por fim, vamos falar sobre a agricultura, que é altamente produtiva e orientada para a exportação. O estudo da Nokia aponta que o 5G tem o potencial de ser a única camada de conectividade necessária para conectar casos de usos diferentes, como sistemas de irrigação e veículos autônomos, por exemplo.

A maioria das fazendas no Brasil, segundo o paper, não possui cobertura de celular. Por isso, o estudo defende que os ganhos potenciais ao conectar a força de trabalho e a infraestrutura podem ter um impacto significativo na produtividade do setor. Mas fazer o 5G chegar a este setor de forma ampla será um desafio.

Impactos do 5G na sociedade

Ilustração do conceito de 5G
Estudo da Nokia e da Omdia mostra impactos sociais da implementação do 5G

O estudo indica que os consumidores estão ficando mais impacientes com a banda larga móvel 4G, em termos de conexão e latência. Por isso, a expectativa é que o 5G tenha uma rápida adoção no mercado de banda larga móvel. De acordo com o paper, estima-se que 25% das linhas de banda larga móvel vão operar com 5G até 2023, em toda a América Latina.

Já não é novidade que no contexto de pandemia do novo coronavírus, as relações sociais, principalmente corporativas, passaram por mudanças. Nesse “novo normal”, o trabalho remoto passou de opção para necessidade – e por tempo indeterminado.

Neste cenário, o paper coloca que a consequência da implantação do 5G seria um melhor caso comercial de FWA e um tráfego significativamente maior na área residencial. Ambos os benefícios devem incentivar as operadoras de telecomunicações a implementarem o 5G o mais rápido possível, segundo o estudo da Nokia e da Omdia.

5G e o contexto financeiro da América Latina

Ilustração do conceito de 5G
América Latina deve enfrentar obstáculos para implementar 5G

Em relação a economia global, o paper indica que o 5G deve contribuir com um impacto médio de 5% até 2035. Ainda segundo o estudo, as vendas habilitadas para 5G em todos os setores terão um impacto diferente, começando com um aumento de 2,2% até mais de 10% para as receitas de tecnologias da informação e comunicação (TIC).

A Nokia Bell Labs identificou que a conectividade inteligente, habilitada por 5G, vai ser um catalisador para o crescimento socioeconômico na chamada 4ª Revolução Industrial.

Combinando esses efeitos, a Omdia projetou um modelo para estimar o impacto econômico e social do 5G, até 2035, na América Latina. A empresa também abordou o potencial de cada indústria e setor nessa projeção.

O impacto social é difícil de calcular em números, mas, segundo o modelo da Omdia, o valor econômico potencial do 5G na América Latina é estimado em até US$3,3 trilhões até 2035, tendo um aumento de até aproximadamente US$8,8 bilhões na produtividade com destaque para os seguintes setores:

  • Tecnologia, Informação e Comunicação (US$572 bilhões);
  • Manufatura (US$534 bilhões);
  • Serviços (US$468 bilhões);
  • Governo (US$323 bilhões);
  • Varejo (US$262 bilhões);
  • Agricultura (US$212 bilhões).

Espectro 5G e desafios de conectividade

Ilustração do conceito de 5G
Implantação do 5G tem série de desafios de conectividade

De acordo com o estudo, os países latino-americanos ainda não terminaram de alocar o espectro 4G disponível. Isso significa que ações urgentes são necessárias.

Já o espectro 5G inclui uma mistura de bandas baixas (600MHz e 700MHz), bandas médias (C, 3300-3800MHz) e bandas altas (acima de 6GHz), incluindo “mmWave” (a faixa de 26MHz é a maior prioridade).

“O 5G não é apenas um G. Proporcionará a digitalização da sociedade e todas as máquinas, equipamentos e sensores, um grande impulso na economia, além de que todos os elementos conectados irão buscar e trazer informações. Estamos ansiosos em contribuir para o debate público sobre a importância da adoção do 5G na América Latina e no Brasil.”

Wilson Cardoso, diretor de soluções da Nokia para a América Latina

Atualmente, segundo o paper, há os primeiros anúncios para o leilão do espectro 5G. Brasil e Chile são os país latino-americanos que estão liderando, em termos de espectro total a ser alocado.

Só que o estudo defende que a política de infraestrutura é o segundo pilar principal dos facilitadores regulatórios de 5G, tendo em vista que a conectividade de fibra se torna obrigatória. Isso ocorre porque os links de cobre e micro-ondas têm limitações de desempenho.

Ainda falando sobre os desafios de conectividade, o paper da Nokia e da Omdia ressalta que a cobertura do 4G na América Latina precisa ser analisada, já que para o 5G é necessário uma rede totalmente IP (com identificação de interface e endereçamento de localização). De acordo com as previsões da Omdia, o 4G/LTE vai ser a principal tecnologia, com 58% do total de conexões, até 2023.

Homem usando smartphone enquanto toma café
4G precisa ser analisado antes do 5G ser implementado na América Latina

Atualmente, existem soluções de backhaul – porção de uma rede hierárquica de telecomunicações responsável por fazer a ligação entre o núcleo da rede, ou backbone, e as sub-redes periféricas – de micro-ondas para 5G, mas as conexões DSL (que utiliza da linha telefônica para fornecer o serviço de internet) precisariam ser substituídas. Além disso, existe o problema dos recursos limitados dos operadores para realizar essa migração, conforme aponta o paper.

Outros desafios presentes no contexto da América Latina em relação à conectividade, segundo o estudo, são o aumento da velocidade da banda larga e a melhoria na qualidade e cobertura da rede móvel.

Apesar de haver uma alta penetração da telefonia celular na América Latina, metade dos latino-americanos não têm acesso à banda larga da internet. Em contrapartida, o estudo aponta um aumento na adoção de banda larga e dos investimentos nessa tecnologia, que aumentaram US$30 bilhões anualmente na última década.

Fontes: Nokia e DepositPhotos

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar um comentário